Malta – o menor país e maior tesouro da Europa

 “Onde menos se espera você pode encontrar o tesouro que procura. Eu procurava férias, praia, paz e o inusitado.”

País de Destino: Malta

Como chegar: Wizzair – Budapeste – Malta (vôo direto)

Período: Maio

Temperatura: verão (ahhhh!)

Moeda: Euro

Idioma: Inglês e Maltês ( e eu achando que era Italiano)

Plano: viajar sozinha, sem nenhuma expectativa, praia e um lugar não explorado por conhecidos.

Opinião de outras pessoas: Onde fica Malta? Ali pertinho da bota.

Realidade: Me encantou, demais! Voltaria com certeza, um lugar perfeito para sair de férias, pra fazer um retiro, pra relaxar e ver praias lindas, pra festar, pra conhecer franceses e italianos (aparentemente esse é o quintal deles).

Malta-flag-and-map

Hostel: Corner Hostel – Sliema. Recomendado, boa localização e boa equipe ( quartos pequenos e menos pessoas por quarto)

Dia 1 – Chegada – Sliema, St Gillian Bay e Paceville

Chegando no Aeroporto existem 3 opções para ir para a cidade: taxi, shuttle ou ônibus. Vou te convencer qual dos três  vale a pena pegar – o ônibus (que você consegue ver o trajeto no google maps), o melhor de tudo é que a viagem é de meia hora e o preço da rota é de 1,50 EU.

Fiz o check-in no hostel, e saí para caminhar e buscar algum lugar pra almoçar frutos do mar, andei seguindo o mar, atravessando Sliema, e chegando em St Gillian onde existem diversos restaurantes e um lugar interessante que a noite é onde mora a vida noturna chamado Paceville (bares, lounges e baladas), faixa etária discutível.

BeFunky_DSC_0858.jpg

Aterrissando em Malta

BeFunky_DSC_0861.jpg

Sliema

DSC_0863

Sliema

DSC_0866

St Gillian

Dia 2 – Cruzeiro por Gozo e Comino e Casino

Ao pegar o mapa, e ler sobre e ver que Malta é muito mais do que belas praias, e me dar conta de que tinha poucos dias, queria fazer o máximo em menor tempo possível.  E eu que pensei, ahh é pequeno né?, e no fim dias a mais nunca é demais! Então resolvi investir 35 euros pra fazer um cruzeiro por Gozo que é uma ilha próxima de Malta, que passava pela famosa Azure Window, e parava em Comino uma ilha ainda menor, onde a água é cristalina, e eles chamam de Lago e é lindo demais, a sensação é que você está no meio do nada – você e as águas vivas (sim, eu fiz snorkel e vi quantas poderiam me queimar).

Obs.: Daria pra passar metade de um dia em Comino, mas como queria ver Gozo E Comino meu tempo foi limitado.

DSC_0979

Vista de Malta

DSC_0993

Comino

DSC_0965

Azure Window – Gozo

Durante a noite fui jantar próximo a Paceville, e depois fui para o Cassino (primeira vez da vida!). É demais o Cassino lá, fica próximo de uns resorts 5 estrelas maravilhoso. Nunca vi tanta gente da 3a idade no mesmo recinto, mas eles jogam caça níquel, e eu fui jogar roleta e ainda saí no lucro – após quase perder tudo. Só tenho uma coisa a dizer foi uma das coisas mais divertidas que fiz, e sim é viciante e não conseguia desistir da jogatina.

Curiosidade: Malteses tem que ter 25 anos pra jogar no Cassino, enquanto essa regra não se aplica pra turistas.

DSC_0883

Cassino

Dia 3- Golden Bay e Għajn Tuffieħa

Acordei cedo e fui, de ônibus para Golden Bay, uma das praias que me foram recomendadas, (aproximadamente 45 minutos). Um colega meu de Malta sugeriu que eu andasse 1km a mais para chegar a praia de Għajn Tuffieħa, que é menos popular, e tem uma vista maravilhosa.

Dividi meu dia entre Golden Bay – hiking entre as duas praias e subir o morro  – Għajn Tuffieħa.

10601260_852534538093008_1837005034_n

Għajn Tuffieħa

10617280_852547674758361_28474298_n

Għajn Tuffieħa

Durante a noite fui a Valetta, capital de Malta, um dos lugares mais agitados de dia, onde os malteses trabalham, onde as coisas funcionam, onde as coisas acontecem, mas o que eu vi durante a noite foi tranquilidade, um jantar a luz de velas a beira do porto com Malteses que me contaram um pouco da cultura e histórias sobre Malta.

DSC_0923

Dia 4 – Mdina, Rabat e Sliema 

No meu último dia acordei cedo e fui a Mdina (anitga capital de Malta cercada por um muro) e Rabat ( com antiguidades romanas) duas cidades medievais que parecem que foram montadas para ser cenários de filme. E ao final do meu tour fui a Fontanella Tea Garden, que é um café/confeitaria famoso por lá. Voltei e fui nadar em Sliema mesmo, próximo ao hostel – é possível nadar lá apesar de ter uma paisagem urbana, pois não é afastado da cidade.

DSC_0013 DSC_0009 DSC_0004 DSC_0001 BeFunky_DSC_0012.jpg  BeFunky_DSC_0006.jpg

E fechei a noite com uma festa no barco que começava em torno das 17h e ia até Comino.

Festa no Barco

Festa no Barco – Pôr do sol + Comino

Moral da História

São nos menores frascos que se encontram os melhores perfumes. – sim vou usar esse clichê pra terminar meu post.

Malta menor país da Europa onde relíquias se encontram além de lugares a serem explorados.

 Malta – Aeroporto – Budapest  

O sonho acabou, o paraíso existe sim, e eu sei que existe, como uma onda no mar (meditarrâneo).

“Nada do que foi será. De novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa. Tudo sempre passará. A vida vem em ondas. Como um mar. Num indo e vindo infinito.” Oi Lulu!

10389668_816693651677097_7278462569376806186_n

Achei praia, férias e paz e o inusitado em Malta!

Anúncios

Uma resposta para “Malta – o menor país e maior tesouro da Europa

  1. Prima, vc ta linda, magra e eu só te desejo mais e mais viagens e sucesso! Vc esta realizando um sonho que eu tenho de viajar mto, mas infelizmente não posso realizar! Aproveite! Saudades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s